Digital é o presente, não o futuro!

Vivemos um momento de transição comportamental dos consumidores, isso não é novidade para ninguém, mas antes de mais nada precisamos aceitar, que independentemente do quão doloroso seja para as pessoas e estruturas, se adequar a esta transição é necessário. Não é fácil para marcas, empresas, agências e profissionais, pois impacta diretamente em seus processos e estruturas, gerando novos custos e aprendizados, mas sendo imprescindível para acompanhar a mudança de hábitos dos consumidores, que buscam uma comunicação e relacionamento com as marcas de forma mais dinâmica.

Esta reação emergencial e até tardia que ocorre no mercado está atrelada ao fato de perderem o “timming” do entendimento desta transformação de comportamento, descartando sinais e principalmente dados que o mercado oferecia, acreditando que o modelo anterior seria eterno. Não descartaria a fatia de responsabilidade das instituições de ensino brasileiras, que pecaram e ainda pecam na atualização de seus currículos disciplinares, entregando ao mercado de trabalho jovens profissionais desatualizados.

Como resultado deste e outros fatores temos hoje profissionais sem a bagagem necessária para lidar com os consumidores e marcas nos canais digitais. Muitos felizmente buscam atualização e informação a toque de caixa, “correndo contra o tempo”. É claro, digo isso sem generalizar, pois existem muitas exceções e profissionais extremamente competentes realizando um excelente trabalho no mercado, que muitas vezes impulsionam esta evolução de forma disruptiva.

Este cenário é alarmante, sendo o Brasil o 3º pais que passa o maior número de horas navegando na internet em todo o mundo, tendo quase metade da sua população ativa em redes sociais (47%) e um número de conexões móveis maior que seu número de habitantes.

Neste momento além de se adequar, é preciso compreender que vive-se um mundo onde as melhores histórias não são mais as que ganham prêmio, mas aquelas que geram experiência, integração multicanal e melhor performance em dados. Mundo em constante transformação, onde a cada minuto surgem novas tecnologias e formas de se relacionar.

Caminhem neste sentido, pois a um simples download de aplicativo ou nova rede social, geram-se novas formas significavas de consumo, relacionamento e interação que as marcas querendo ou não estarão presentes.

Precisamos estar prontos para o presente!

 

Fonte dos dados de navegação brasileira: we are social (relatório 2015)

Compartilhe:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *